Falta de testes à Covid-19 afasta Labomba e Maculusso

Equipas enfrentam dificuldades financeiras para suportar os custos durante a competição feminina provincial

A vida financeira não está fácil para o Labomba Básket e o Grupo Desportivo Maculusso. As duas equipas podem abandonar nos próximos dias o Campeonato Provincial sénior feminino de basquetebol por falta de testes à Covid-19. A informação é do treinador principal, do Labomba, Agdel Galiano.
Em declarações ao Jornal dos Desportos, o técnico justificou que \"a situação é grave e estende-se a mais duas outras agremiações\".
\"O Desportivo Maculusso, Formiguinhas do Cazenga e Labomba não têm capacidade financeira de custear as testagem das atletas de forma a terminar a participação na competição\", justificou.

Labomba revelou que já manteve contactos com as direcções da Associação Provincial e da Federação Angolana de Basquetebol (FAB), nos quais manifestou as razões de abandono. A \"equipa\" de Carlos Júlio, na gestão da modalidade em Luanda, assegurou-lhe que os 200 testes disponíveis já foram distribuídos às sete equipas nas três primeiras jornadas e de momento não há dinheiro para custear outros exames.

Agdel Galiano afirmou que a mensagem enviada à vice-presidente da FAB, Nacissela Maurício, não obteve resposta até o momento, quando faltam seis jornadas para o fim da prova. O silêncio é interpretado como falta de interesse ao basquetebol feminino por estar focada ao sector masculino. No entanto, as equipas vão ser obrigadas a abandonar a competição.
O treinador do Labomba Basket questiona as razões que levam a FAB a custear os testes do Interclube e do 1º de Agosto, quando dispõem de suporte financeiro para o efeito.

A direcção do Formiguinhas do Cazenga demarca-se da intenção do Labomba. O presidente Nguabi Salvador garantiu a permanência da equipa na competição: \"A Associação Provincial de Basquetebol de Luanda já nos tinha avisado com antecedência para que cada responsável das equipas assumissem os testes.
Os 200 testes dados já foram usados. Vou arranjar solução para testar as minhas atletas para continuar e terminar a competição, senão seria uma injustiça contra as meninas\".