Milex e Luciano castigam Maquis

O Conselho de Disciplina da Federação Angolana de Futebol sancionou a equipa do FC Bravos do Maquis do Moxico, impedindo-o de proceder à inscrição de novos contratos, devido a uma acção judicial intentada contra aquele clube pelos jogadores Luvia João Mateus "Milex", de nacionalidade angolana, e Luciano Carlos Marques Camara, brasileiro, que representaram o referido grémio nas últimas épocas.  

O Conselho de Disciplina da Federação Angolana de Futebol sancionou a equipa do FC Bravos do Maquis do Moxico, impedindo-o de proceder à inscrição de novos contratos, devido a uma acção judicial intentada contra aquele clube pelos jogadores Luvia João Mateus \"Milex\", de nacionalidade angolana, e Luciano Carlos Marques Camara, brasileiro, que representaram o referido grémio nas últimas épocas.
No caso do primeiro jogador, este deu entrada um dossier no Conselho Técnico e Desportivo (CTD) da FAF, onde apresenta os seus argumentos de incumprimento contratual, por parte do clube do Moxico, o que resultou na decisão da suspensão da formação do FC Bravos do Maquis efectuar a inscrição de novos contratos. Quanto ao jogador brasileiro, o facto remonta da época de 2017, quando Luciano Carlos Marques Camara se deslocou para o Brasil em Janeiro daquele ano, tendo sido acusado pelo clube de não ter cumprido com os prazos de regresso.
Isso levou a que a formação do Moxico não pudesse utilizar o jogador na segunda volta da mesma temporada, razão evocada pela direcção do clube como sendo motivo de incumprimento contratual da parte do atleta, por não ter sido inscrito na segunda fase de inscrição de jogadores daquela época.Porém, no recurso apresentado por Luciano Camara ao Conselho Técnico e Desportivo da FAF, consta que o jogador havia regressado a tempo no país, precisamente a 12 de Fevereiro de 2017, conforme consta no passaporte, o que contraria a versão do clube.
Em função disso, aquele órgão deliberativo da FAF considera justa a reivindicação de Luciano Camara, e obriga que o FC Bravos do Maquis faça o pagamento daquilo que o jogador reclama.   
A deliberação vem estampada no Comunicado Oficial nº 40/SG/18 da Federação Angolana de Futebol (FAF), datado do dia 4 de Outubro corrente, que se encontra em posse do Jornal dos Desportos.Ainda no mesmo documento, a Federação Angolana de Futebol (FAF), levanta a sanção imposta ao Petro de Luanda, com relação à dívida que o clube do Eixo-Viário tinha para com o 1º de Maio de Benguela.