Uns saem e outros ficam

O Mundial-2018 está na recta final. Após à disputa de hoje no Estádio Lujniki, em Moscovo, e o segundo jogo das meias-finais que opõe a Croácia à Inglaterra.

O Mundial-2018 está na recta final. Após à disputa de hoje no Estádio Lujniki, em Moscovo, e o segundo jogo das meias-finais que opõe a Croácia à Inglaterra, só restam outros dois duelos: o da classificativa para o terceiro e quarto lugares, por um lado, e o da grande final,  agendados para sábado e domingo.
E, adivinha-se uma final electrizante no Lujniki de Moscovo, em que mais 81 mil espectadores podem testemunhar o jogo que coloca frente-a-frente duas equipas com o melhor aproveitamento de oportunidades criadas, nesta grande montra de futebol.
Se por um lado, até hoje ainda é espectável o dado da segunda equipa a confirmar a presença na final, a definir-se entre as selecções croata e inglesa, por outro, já é certeza que se vai ter duas selecções europeias, no jogo mais esperado deste Mundial da Rússia.
Entre certezas e incertezas, estão, também, o facto de nesta prova, estrelas como Cristiano Ronaldo, Lionel Messi, Iniesta, Cavani, assim como os africanos Mohamed Salah e Sadio Mané  passarem ao lado do Rússia-2018, e a grande incógnita que se levanta sobre quem vai ser o melhor jogador da prova: o francês Kylian Mbappé, Eden Hazard e Luka Modric são três concorrentes na lista, em que aparecem outros nomes.
Um outro aspecto que salta à vista, neste Campeonato do Mundo que a Rússia alberga desde 14 de Junho e que fecha as cortinas no domingo, é que o desempenho das várias selecções, pode ainda pesar na continuidade ou não de um e outro seleccionador.
Pelo andar da carruagem, é óbvio, que uns saem e outros ficam. Quem, efectivamente, fizer por merecê-lo, há-de receber voto de confiança dos órgãos que velam pelo futebol dos respectivos país. Outros, por razões objectivas ou subjectivas, vêem o fim da linha a cruzar no seu caminho, como de resto acontece com Jorge Sampaoli, na Argentina.
Apesar de des(a)mado por uns, o técnico que conduziu a equipa \"Alvi-Celeste\" aos oitavos, que caiu aos pés de França, com derrota 3-4, vai continuar ao comando desta.
E, tudo porque Cláudio Tapia e Daniel Angelici, respectivamente, presidente e \'vice\' da Federação Argentina de Futebol (AFA), deixaram bem claras as suas ideias. Aliás, com esta decisão, a AFA mantém o técnico de 58 anos e \'poupa\' 6,9 milhões de euros,  verba que ia ter de pagar, caso avançasse para o despedimento de Sampaoli.
No Brasil, a situação de Leonardo Bachi \"Tite\" mantém-se numa incógnita, após a eliminação nos quartos -de -final pela Bélgica, com quem perdeu por 2-1. Ao regressar ao país, o técnico \"canarinho\" reforçou o desejo de descansar por alguns dias, antes de tratar do seu futuro. O contrato actual estende-se a 31 de Julho.
A expectativa da Confederação Brasileira de Futebol (CBF), é que o martelo pela permanência seja batido, antes disso. Apesar do desejo de manter todo o trabalho, o órgão planeia uma mudança importante para o novo ciclo do treinador.
A tendência em escolas de sucesso pelo mundo, um sistema de trabalho conjunto, com padrões e filosofias semelhantes entre as equipas de base e principal, é prioridade para a CBF. A comissão técnica de Tite vê, todavia, o caso com bons olhos.
Por outro lado, uma selecção que trocou de treinador, após o afastamento no Mundial, pela Rússia, aos penalties, nos oitavos de final, é a de Espanha. No começo deste Rússia-2018, a formação da \"Roja\" viu a sua antiga estrela render Julen Lupetegui, que preteriu o conjunto para abraçar um novo desafio no \"afortunado\" Real Madrid.
O actual técnico dos \"merengues\", cedeu o lugar a Fernando Hierro, a um dia do pontapé de saída do Rússia-2018, e este, como pouco tempo no banco, cedeu também o lugar a Luís Henrique, como anunciou na segunda-feira a Real Federação Espanhola.

CARA DE VILÃO
Apesar de citado como alguém com cara de vilão, Stanislau Cherchesov fez história ao apurar a selecção anfitriã para os quartos de final do Mundial, a sua melhor qualificação desde o fim da ex -União Soviética.
Com esse efeito, o técnico russo de 54 anos, vê a imagem a mudar, depois de acumular várias polémicas e conflitos com jogadores e com a imprensa, durante as suas passagens pelas equipas do Spartak, Dínamo de Moscovo e Amkar, respectivamente.
Por outro lado, o sucesso no Legia, em que se sagrou campeão da Polónia, em 2016, abriu as portas da selecção russa e motivou a campanha ‘Bigode da Esperança’ deste treinador, que tornou-se hoje em figura carismática na pátria de Vladimir Putin.
No Egipto, o técnico argentino que orientou o conjunto no Mundial-2018, viu o fim da linha, a frente dos destinos da selecção dos \"Faraós\".
Hector Cúper assume como desafio, a possibilidade de conduzir a selecção do seu país, e vai daí, o desejo de regressar de imediato à \"Pátria do Tango\".

VOTO DE CONFIANÇA
Outro treinador que deve receber o voto de confiança, apesar do afastamento da sua selecção nos \'oitavos\', com derrota de 2-3 frente a Bélgica, é o do Japão, Akira Nishino.
O técnico mostrou-se desapontado com a derrota frente à Bélgica, sobretudo, pelas circunstâncias em que aconteceu. Nishino elogiou o comportamento da equipa e assumiu a culpa por não mudar a forma de jogar depois de chegar ao 2-0.

BRITÂNICOS
Eric Dier põe gelo
na euforia dos adeptos


Depois do triunfo frente à Suécia, que permitiu carimbar o passe para as meias-finais do Campeonato do Mundo, algo que não acontecia há 28 anos, Eric Dier, defesa/médio da selecção de Inglaterra, pôs gelo na euforia que tomou conta dos adeptos britânicos, que sonham com o segundo título de campeão mundial (a única vez foi em 1966).
\"Não houve celebrações, depois da vitória frente à Suécia, porque ainda não ganhámos nada. Temos uma grande oportunidade para fazê-lo. Colocámo-nos numa óptima posição para vencer e a verdade é que estamos com vontade de mais. Não viemos aqui para perder. Estamos, apenas, focados no próximo jogo e nada mais\", afirmou o jogador do Tottenham em conferência de imprensa, em que abordou o duelo de hoje frente à selecção da Croácia, em Moscovo.
O antigo jogador do Sporting de Portugal comentou ainda, o momento de forma de Raheem Sterling, jogador que segundo a crítica, é fundamental para o sucesso dos ingleses na Rússia: \"A forma como ele está a lidar com as coisas, é fantástica. A sua atitude e ética de trabalho são incríveis. Ele oferece várias soluções à equipa, e penso que é bastante clara a sua importância no nosso jogo. Tem realizado um campeonato fantástico e esperemos que continue a fazê-lo\".