0 / 0

Clássico da Cidadela centraliza atenções

A história de basquetebol angolano conhece hoje o confronto de dois norte-americanos, que conquistaram os corações dos adeptos do Petro de Luanda e 1º de Agosto. 

A história de basquetebol angolano conhece hoje o confronto de dois norte-americanos, que conquistaram os corações dos adeptos do Petro de Luanda e 1º de Agosto. Antwan Scott e Emanuel Quezada centralizam hoje, a partir das 19h00, no pavilhão principal da Cidadela Desportiva, as atenções do jogo que opõe os campeões aos vice-campeões a contar para a quarta jornada da terceira volta do campeonato nacional sénior masculino da época 2019/2020.

Antwan Scott é o "maestro" dos petrolíferos nos últimos jogos e apresenta grande visão de distribuição de jogadas. O base tem a missão de manter os níveis altos de competitividade dos campeões. Hoje, "o trabalho" é a dobrar. Noutro lado está Emanuel Quezada, a esperança dos militares do Rio Seco. O base está obrigado a desfazer a balança. O 1º de Agosto já soma quatro derrotas consecutivas, desde que ganhou ao Petro de Luanda no Torneio Victorino Cunha. Os militares saíram derrotados dos jogos da Supertaça, campeonato provincial de Luanda, primeira e segunda volta do campeonato nacional.

Separados por dois pontos na tabela geral de classificação (33-31), favoráveis ao Petro de Luanda e líder da competição, o jogo é o mais aguardado do calendário por estar prenhe de incógnitas. A rivalidade desportiva atribuiu-o a categoria de clássico dos clássicos e o mais mediático. 

O 1º de Agosto vai ao encontro do Petro de Luanda para tentar travar a marcha triunfal dos campeões nacionais. A estreia de Walter Costa, na condição de treinador, e a presença de Emanuel Quezada, que regressou recentemente à equipa, trazem ao clássico condimentos para testemunhar ao vivo o desenrolar da festa. O jovem treinador e o base devem justificar o investimento aos associados. Quezada aumenta os índices de motivação, mas insuficiente para augurar a vitória. Só com argumentos técnicos eficientes é possível travar a fúria dos petrolíferos, que somam apenas uma derrota na competição.

Walter Costa tem pela frente um "osso duro de roer". O Petro de Luanda está "bem" reforçado e atravessa um bom momento. Os resultados abismais obtidos nos últimos quatro jogos "chapam" a superioridade em qualquer campo. E hoje, diante do seu público, em casa, a equipa do eixo-viário é favorita à conquista de dois pontos. 

A vitória de 77-72 no Rio Seco ainda fervilha nos petrolíferos. Lazare Adingono mantém a concentração em alta para evitar a surpresa no resultado. Tem preparado a "armada" constituída por Olímpio Cipriano, Carlos Morais, Leonel Paulo, Antwan Scott e Gerson Gonçalves "Lukeny" para um bom espectáculo. O camaronês conta também com os bases Childe Dundão, o extremo José António e Benvindo Quimbanda e os postes Aldemiro João "Vander", Divaldo Mbunga, Aboubakar Gakou, Valdelício Joaquim e Jone Pedro.

Walter Costa deve contar com os bases Hermenegildo Santos, Carlos Cabral, Emmanuel Quezada e Armando Costa; os extremos Mohamed Malick Cissé, Pedro Bastos, Edson Ndoniema, Tárcio Domingos e Islando Manuel e os postes Eduardo Mingas, Gilson Bango, Mutu Fonseca, Felizardo Ambrósio e Teotónio Dó.

CAMPEONATO
Militares superam Polícias 
Com 22 pontos do extremo Edson Ndoniema, o 1º de Agosto recebeu e venceu ontem, no pavilhão Victorino Cunha, o Interclube por 101-97 em partida da terceira jornada da terceira volta da fase regular do Campeonato Nacional sénior masculino de basquetebol. A jogarem em casa e diante do seu público, os militares entraram determinante nos primeiros minutos de jogo com destaque para Edson Ndoniema, que mostrou a intenção de derrubar os polícias orientados por Raul Duarte. 
A pressão, à toda dimensão do campo, causou dores de cabeça à turma do Rocha Pinto. Os erros defensivos eram visíveis. Os pupilos de Walter Costa venceram o primeiro período por 27-17.No reatamento do segundo quarto, os rapazes de Raul Duarte queriam mostrar que estavam na partida e empenharam-se ao fundo com bela exibição do extremo Egídio Ventura.

Apesar de defrontarem um adversário forte e com mais opções em termos de suplentes, a igualdade no marcador por 53-53 foi a demonstração da evolução da equipa do Rocha Pinto.No reatamento, os rubros-negros tomaram conta do jogo numa altura em que a máquina dos polícias estava descontrolada. A situação ajudou os agostinos a vencer o terceiro período por 85-78 e o último quarto  por 101-97.

Do lado militar, destacaram-se os extremos  Edson Ndoniema, que anotou 22 pontos, e Islando Manuel com 12.O extremo-base Egídio Ventura, afecto à equipa da Polícia Nacional, foi o melhor marcador da partida com 23 pontos.Noutros jogos, o Petro de Luanda derrotou Universidade Lusíada por 94-57. Com as vitórias de ontem, os petrolíferos cimentam a liderança com 33 pontos, seguido do 1º de Agosto com 31. O Interclube está na terceira posição com  29.