0 / 0

Cumprimento de medidas afasta público do pavilhão

Guerreiros estagiam na cidade do Lubango à porta fechada longe do olhar dos citadinos que esperavam acarinhá-los

Os citadinos e amantes do andebol na cidade do Lubango, Huíla, não vão poder assistir aos treinos da Selecção Nacional sénior masculina, devido ao protocolo sanitário, em obediência às medidas de combate à pandemia da Covid-19, que desaconselham a presença de público no Pavilhão Nossa Senhora do Monte.
Às ordens de José Pereira “Kidó”, o sete nacional cumpre, a partir de hoje, ciclos de trabalho naquela província, em regime de estágio, no quadro da preparação para a disputa da 27ª edição do Campeonato do Mundo, a decorrer de 13 a 31 de Janeiro próximo, no Cairo, Egipto.
A ida dos Guerreiros às terras altas da Chela tem também como propósito motivar os praticantes da modalidade naquelas paragens. Segundo responsáveis da Federação Angolana de Andebol (FAAND), o protocolo de saúde não permite a assistência dos treinos.
Aliás, foi assim em Luanda, por essa razão, a rotina dos jogadores durante o estágio deve ser hotel-pavilhão e vice-versa.
O presidente da FAAND, José do Amaral Júnior “Maninho”, lamenta o facto e acredita na possibilidade de haver “meio termo”.
“Infelizmente os atletas não vão poder interagir com os adeptos, por força das medidas de biossegurança que se impõem. Vamos estudar a possibilidade de existir um meio termo, é muito difícil, porque tem de se obedecer e respeitar as orientações das autoridades sanitárias”, disse.
Sobre a deslocação da equipa, que ocorre pela primeira vez, o responsável disse: “Angola é um rico país, cujo potencial precisa de ser explorado”.
“Temos de aproveitar o país que temos. Penso que concentrar os atletas numa província, desde que haja condições, é salutar e traz benefícios para a modalidade. Infelizmente a nossa deslocação ocorre nesse quadro da pandemia, mas vai ser proveitoso para os atletas”, defendeu.
O grupo, composto actualmente por 22 atletas, está desde ontem na cidade do Lubango, para onde viajou por terra.

Evolução dos atletas satisfaz o treinador
O seleccionador nacional, José Pereira “Kidó”, disse estar satisfeito pela resposta dos atletas aos dois ciclos de trabalho realizados em Luanda.
O treinador falava ao Jornal de Angola, momentos antes do embarque para o Lubango, onde pensa dar forma à filosofia de jogo da equipa.
“Os atletas reagiram muito bem ao trabalho que fizemos, foi difícil, muito cansaço, mas trabalhámos muito na prevenção de lesões e felizmente nenhum atleta ressentiu do trabalho efectuado. Já noto que estão muito mais leves, com melhor agilidade”, revelou.
O técnico campeão nacional pelo Interclube valoriza o estágio e revela pormenores do trabalho que vai efectuar na cidade do Cristo Rei.
“O trabalho na altitude vai ajudar muito. O Lubango assemelha-se ao clima que vamos encontrar no Egipto, que é muito próximo da Europa. O estágio reforça o ambiente entre os atletas. Então vamos trabalhar muito na técnica e táctica individual e colectiva. Esses dias introduzimos a filosofia e vamos aprimorar o nosso sistema de jogo”, disse.
Edgar Abreu “Pelu”, que joga a lateral direito é a única contrariedade clínica do grupo. O jogador, de 28 anos, campeão nacional pelo Interclube, seguiu viagem mas está a recuperar de paludismo.
Seguiram para o Lubango os seguintes atletas: Giovani Muachissengue, Custódio Gouveia e Ariel Silva (guarda-redes).
Cláudio Lopes e Manuel Nascimento (centrais), Feliciano Coveiro, Adilson Pestana, Edgar Abreu e Manuel Domingos (laterais direitos), Mário Tati, Declerk Sibo, Edvaldo Ferreira e Ruben José (laterais esquerdos), Cláudio Chicola e Otiniel Pascoal (pontas esquerdos).
Adilson Maneco, Mayomona Panzo e Agostinho Lopes (pontas direitos), Gabriel Teka, Jairoslav Aguiar, Félix Samassolo e Agnelo Quitongo (pivots).
O central Romé Hebo, do Dínamo de Bucareste (Roménia) e o lateral direito Elias António, do Madeira SAD (Portugal), juntam-se aos companheiros já no palco do Mundial.