0 / 0

Escaldante Girabola

O campeonato nacional de futebol da primeira divisão vai dobrando os últimos contornos. A presente edição, amputada face a desqualificação do 1º de Maio de Benguela, abeira-se do seu fim . Entretanto, do ponto de vista classificativo as coisas estão longe de se definirem. No topo, o 1º de Agosto e o Petro travam uma luta sem quartel pelo título.

O campeonato nacional de futebol da primeira divisão vai dobrando os últimos contornos. A presente edição, amputada face a desqualificação do 1º de Maio de Benguela, abeira-se do seu fim . Entretanto, do ponto de vista classificativo as coisas estão longe de se definirem. No topo, o 1º de Agosto e o Petro travam uma luta sem quartel pelo título.
Aliás, a prova começou com muita concorrência pelo primeiro lugar, num banquete em que também esteve o Bravos do Maquis e a Académica do Lobito. Pois, com militares e petrolíferos envolvidos nas provas africanas de clubes, empreitada que regra comum tem a tendência de embaraçar as coisas, estavam na altura com pouco “jogo de cintura”.
Seja como for, militares e petrolíferos  assumiram-se sempre mais adultos e astutos, não sendo sem razão que se diz sempre e com alguma frequência que a estes dois nunca se deve dar facilidades. De alguma fase para cá, e sobretudo depois de terem sido arredados da competição africana, têm se revezada na liderança do torneio.
Entretanto, é bom que se diga, que entre 1º de Agosto e Petro, de momento estão as duas equipas nas mesmas condições.
Ou seja, qualquer uma das equipas podem arrebatar o troféu, basta-lhe apenas uma gestão inteligentes das jornadas ou dos pontos ainda em jogo para lá chegar. O 1º de Agosto persegue o quinto título consecutivo, ao passo que o Petro persegue o 16º em termos gerais.
 O tricolor, que tinha tudo para nesta altura assobiar de lado, mantém a esperança. Entretanto, as contas dos seus números classificativos conferem-lhe esse direito. Aliás, qualquer observador atento chega à conclusão, que só o jogo entre as duas equipas, na 26ª jornada, pode, eventualmente, vir a aclarar as coisas, caso não se decidam por um acordo de cavalheiros.
Se a meio da tabela reina uma acalmia total, ainda que algumas equipas não tenham conseguido melhorar as classificações da edição anterior, o mesmo  não se pode dizer da situação na zona movediça da classificação, onde a aflição se apossa de equipas como Ferrovia do Huambo, Cuando Cubango FC e Santa Rita de Cássia.